Tags

, , , ,

Após analisar vários provedores de serviço de telefonia fixo em São Paulo, optei pelo Livre da Embratel. A princípio era o que parecia oferecer o melhor custo benefício. Dos aparelhos disponíveis (poucos), optei pelo tal de Huawei. Na minha opinião, o C208 era bonitinho, fininho, levinho e, principalmente, mais baratinho. Mau sabia eu que o principal acessório desse aparelho era dor de cabeça!

O primeiro problema começou com a (tentativa de) compra. Fui numa loja autorizada, preenchi uma ficha e, após uma hora de espera, o vendedor me falou que não conseguia entrar em contato com a Embratel para passar meu pedido. Ele me disse que sempre era assim e me pediu para deixar o número do meu cartão e o código de segurança e, assim que conseguisse, faria a compra (isso mesmo, não tinha máquina para passar o cartão!!). Eu agradeci e disse que não concordava em deixar esses dados. No mínimo era muita responsabilidade para o lojista.

Resolvi então comprar pela Internet. Aí, mais uma surpresa: não havia loja virtual (hoje existe). Você faz um pedido e eles te ligam de volta para pedir os dados do cartão (putZ, que tosco!!). Resolvi pagar pra ver e passei os dados. Cerca de uma semana depois o telefone chegou. Achei prático essa coisa de já receber o telefone funcionando e tal, mas meio temeroso. Ok, tenho um telefone fixo que funciona a várias quadras de minha casa (embora a Embratel deixe claro que ele deveria ser usado só no endereço do cadastro). Tá bom… tô pagaaando!

Começaram os problema com o Huawei C208 (que descobri depois ser uma marca de produtos de rede que estava se aventurando no mundo da telefonia). O autofalante do telefone era muito bom, mas o microfone… uma m%$#@. Eu tinha que quase gritar para me fazer entender (coisa que abomino). E poucos minutos depois o telefone começava a esquentar a ponto de incomodar muito. Para ligações mais demoradas era preciso ficar revesando de orelha e manter o aparelho longe dela!

Bateria Huawei C208

Bateria Huawei C208

A garantia do aparelho era de um ano. Da bateria, seis meses. Pouco mais de um ano depois, outro bozó: a bateria começou a inchar até não caber mais no compartimento dela. Entrei em contato com a assistência técnica, que me informou que eu tinha que trocar a bateria pois havia risco de vazamento de produto tóxico!

O sistema de troca de aparelho da Embratel consistia basicamente em eu comprar um novo aparelho e migrar o número (!!). Eu protestei junto à empresa e eles me ofereceram outro aparelho (dessa vez um tipo plataforma, de mesa) DA MESMA MARCA. Como bom gato escaldado, cansei de ser cobaia da Embratel e da Huawei e pedi o desligamento da minha linha.

Vai explodir!!

Vai explodir!!

Enfim. Fato isolado ou não, a questão é que não tive nenhum apoio da Empresa, que apenas me ofereceu “soluções” tão equivocadas quanto o produto vendido. Meu conselho final: se você optou pela telefonia fixa da Embratel, evite aparelhos da marca Huawei. Opte pelo Nokia (se não surgir um melhor), é o caro que pode sair mais barato no final pois as chances de dor de cabeça são menores (considerando a minha experiência e a de outros amigos e colegas que utilizam o tal do Livre da Embratel. Livre estou eu agora!